10/11/2017 - Coco Bambu pode fechar as portas em Goiás

 
Empresários se sentem prejudicados por revogação de incentivos fiscais

O restaurante Coco Bambu, referência nacional em frutos do mar, cogita fechar as portas em Goiás. A motivação foi a alteração de benefícios fiscais anunciadas pelo Governo do Estado por meio do decreto 9.075, no dia 1 de novembro. Por meio do decreto, a alíquota do O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) que antes era de 7% passou a ser de 17%, um aumento de 136% sobre itens relacionados à refeição e alimentação.


O Coco Bambu tem 29 restaurantes em 15 estados e cogitava expandir os negócios no Estado. No entanto, os sócios da empresa ressaltam que Goiás possui o ICMS mais alto. “Comparado à unidade de Brasília (DF), onde o poder de compra dos clientes é mais alto e o ICMS é de 2%, o restaurante localizado no Flamboyant Shopping Center, paga hoje sete vezes mais, para citar apenas uma categoria de imposto”, esclarece Bruno Vasconcelos, sócio-operador da empresa.


O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) de Goiás, Fernando de Oliveira Jorge, explica que esse imposto é pago em todas as etapas da cadeia produtiva e, por isso, o consumidor vai ser prejudicado. “A matéria prima que os donos de estabelecimentos compram também teve um aumento e isso causa um impacto no produto final que chega ao consumidor”, pontua.


Fernando lembra que diversos restaurantes e bares de Goiás podem ser prejudicados, uma vez que o aumento do ICMS pode inibir a contratação de novos funcionários, aumentar o valor final do produto e, como consequência final, diminuir as vendas desses estabelecimentos comerciais.


Segundo o Coco Bambu, outro fator que leva a empresa a repensar a permanência em Goiás é a elevação da carga tributária já existente em itens como Bebidas (17%) e Vinhos e destilados (25%), além dos impostos sobre serviços utilizados pelo restaurante, como energia (14%), água (7%) e gás (30%). “No nosso caso, repassar os custos para o cliente poderia ser uma alternativa. Porém, não resolve o problema. O fato é que continuaríamos arcando com a maior carga tributária dentre todos os Estados e trabalhando com aumentos em toda a nossa cadeia de fornecedores locais”, conclui Cézar Chehab, também sócio-operador do restaurante.


Diálogo

Os sócios-operadores do restaurante, Erico Barreira, Bruno Vasconcelos e Cézar Chehab, classificaram a ação do governo como arbitrária, além de disso, contam que não houve tentativa de diálogo com empresários do ramo. No entanto, os empresários afirmam acreditar no bom senso do Estado em buscar soluções para a questão.


Segundo Fernando, a Abrasel, em parceria com outros entidades ligadas ao comércio, está se mobilizando para promover o diálogo com o Governo. O presidente acredita que há possibilidade dos incentivos fiscais serem retomados e a alíquota do ICMS ser retomada para 7%, ou mesmo haver uma diminuição desse índice.

Fonte: EMaisGoiás


Acompanhe a Abrasel também nas mídias sociais:

alt alt alt