27/12/2017 - Varejo prevê contratar 30,5% dos temporários, maior taxa desde 2013


A expectativa é que tenham sido gerados 74,1 mil postos temporários

O Natal da retomada das vendas deve ser também o da recuperação de empregos no varejo. Segundo pesquisa da Confederação Nacional do Comércio (CNC), 30,5% dos temporários contratados para o fim do ano devem ser aproveitados após as festas. A projeção foi atualizada pela entidade — em outubro, o percentual previsto era de 27% — e, com isso, será a maior taxa de efetivação desde 2013, quando 36% garantiram vagas fixas. Em 2016, foram só 15,2%.

O número positivo para as vagas está em linha com as estimativas otimistas do setor para o movimento deste ano no país. A expectativa é que tenham sido gerados 74,1 mil postos temporários. As lojas ainda estão fazendo as contas para avaliar o resultado do fim de semana, mas, até a sexta-feira passada, a projeção da CNC era de crescimento de 5,2% das vendas. Se isso se confirmar, será o melhor Natal desde 2012, quando o movimento subiu 8,1%.

Para o economista Fabio Bentes, da CNC, a expectativa de uma taxa de efetivação maior é bom sinal para o ano que vem, mas a economia precisa continuar o processo de recuperação:
— Em 2018, o que vai determinar (a continuidade da melhora) é o emprego, inclusive em outros setores, para continuarmos a ver esse resgate do consumo.

RIO CRESCE MENOS QUE A MÉDIA

O movimento de otimismo dos dados nacionais, no entanto, não se reflete completamente no Rio. O estado deve ter desempenho inferior aos vizinhos, ainda de acordo com o levantamento da CNC. Enquanto a previsão em São Paulo é de aumento de 3% nas vendas e, em Minas Gerais, de 5%, o varejo fluminense fechará o balanço de Natal com estagnação, de acordo com a projeção. Outra estimativa, do Clube de Diretores Lojistas do Rio (CDLRio), é um pouco mais otimista: crescimento de 3%.

Segundo a CNC, as lojas fluminenses diminuíram a contratação de temporários. Em 2016, foram dez mil vagas, contra estimativa de seis mil neste ano. Movimento na contramão do país, que aumentou as contratações de 67,4 mil para 74,1 mil.

Entre comerciantes, a percepção sobre o movimento é mista: nas ruas, há quem reclame de um Natal ainda fraco, mas shoppings apresentam balanço positivo, principalmente por causa das compras de última hora. No Nova América, Shopping Boulevard, Botafogo Praia Shopping, Rio Design Barra e Leblon e Shopping Nova Iguaçu, administrados pela Ancar Ivanhoe, o fluxo de pessoas nos dias que precederam o Natal cresceu 11% em relação ao ano passado.

Na Overblack, na Saara, a gerente Cristina Gomes considerou bom o movimento nas ruas para o Natal, mas percebeu a insatisfação dos consumidores com a grande quantidade de estabelecimentos fechados na véspera de Natal:

— Hoje (dia 24) foi uma decepção, porque poucas lojas abriram, então muitos clientes reclamaram e foram para os shoppings. Ainda não sabemos o balanço total de vendas, mas isso prejudicou muito.

Já o presidente do Polo Saara, Toni Haddad, analisa os resultados deste ano positivamente. O centro comercial costuma sair na frente quando a busca por lembrancinhas se destaca.

— Estamos sentindo o movimento mais forte do que no ano passado. De um modo geral, há um aumento de 20% nas vendas em relação ao último Natal. Há também uma expectativa maior de efetivação dos funcionários temporários do que no ano passado.

Fonte: O Globo



Acompanhe a Abrasel também nas mídias sociais:

alt alt alt