Em vez de nos dividir, vamos nos reunir

alt


* Por Paulo Solmucci Júnior

A palavra diálogo é resultado de duas palavras gregas: dia (através) e logos (relacionamento). Isso que dizer que este é o significado de diálogo: através de relacionamentos.

Eis a essência da nossa atividade nos bares, cafés e restaurantes: criar redes de encontro, de conversação, de compartilhamento das observações cotidianas. É uma troca que aproxima as pessoas, permitindo-as conciliar pontos de vistas diferentes, removendo-se posições cristalizadas, implodindo sectarismos.

A sociedade brasileira precisa muito da conversação, da aproximação entre as pessoas, amalgamando a sociodiversidade na nossa infinda pluralidade, na nossa mescla etária, racial, étnica, de gênero, de crenças, de extratos culturais e econômicos.

Bares, cafés e restaurantes são o palco da cidadania, em que até mesmo as pausas, as reflexões e os silêncios que entremeiam os colóquios estão plenos de significados. É imprescindível reaprender a ouvir. Quando a gente escuta o outro lado, constatamos que estamos de um lado só. Somos todos o Brasil.

Quer dizer: temos de nos ligar. Em vez de nos dividir, temos de nos reunir.

A hora é a do face a face, a do olho no olho, a do acesso à experiência direta.

Bares e restaurantes são o palco da vida pulsante, natural e autêntica.

É no ambiente da interação e da celebração que podemos brindar e lembrar Drummond:

O presente é tão grande, não nos afastemos. Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.